10 AÑOS DE EXPERIENCIA ACOMPAÑANDO A INVERSIONISTAS

DEL MUNTO ENTERO EN LA CONCEPCIÓN, IMPLEMENTACIÓN Y

OPERACIÓN DE SUS PROYECTOS DE NEGOCIOS EN CHINA

BREVE INTRODUÇÃO DA LEI DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS E DOS REGULAMENTOS DE IMPLEMENTAÇÃO

No início de janeiro de 2020, a “Lei de Investimentos Estrangeiros da República Popular da China” e o “Regulamento de Implementação da Lei de Investimentos Estrangeiros da República Popular da China” (denominada “Lei de Investimentos Estrangeiros” e “ Regulamento de Implementação ”) entrou oficialmente em vigor, fornecendo uma garantia legal para otimizar continuamente o ambiente de investimento estrangeiro e promover um maior nível de abertura.

A promulgação da Lei de Investimentos Estrangeiros e do Regulamento de Implementação é de grande importância. Seus principais efeitos positivos podem ser facilmente detectados nos seguintes aspectos:

1. A definição de “Investimento Estrangeiro”

De acordo com a Lei de Investimentos Estrangeiros, investimento estrangeiro refere-se a qualquer atividade de investimento realizada direta ou indiretamente por pessoas físicas, empresas ou outras organizações estrangeiras (“investidores estrangeiros”), incluindo as seguintes circunstâncias:

• Um investidor estrangeiro estabelece uma empresa de capital estrangeiro no território da China, sozinho ou em conjunto com qualquer outro investidor;

• Um investidor estrangeiro adquire ações, ações de propriedade ou quaisquer outros direitos e interesses semelhantes de uma empresa no território da China;

• Um investidor estrangeiro investe em qualquer novo projeto dentro do território da China, sozinho ou em conjunto com qualquer outro investidor; e

• Um investidor estrangeiro investe de qualquer outra maneira estipulada sob leis, regulamentos administrativos ou disposições do Conselho de Estado.

Nos termos da lei atual, uma empresa de capital estrangeiro refere-se a uma empresa constituída de acordo com as leis chinesas no território da China e com todo ou parte de seu investimento proveniente de um investidor estrangeiro. Além disso, o Regulamento de Implementação interpreta “outros investidores” como incluindo pessoas físicas chinesas.

2. O Princípio da Unificação do Padrão de Acesso ao Mercado para Investimentos Estrangeiros

No passado, o investimento estrangeiro precisava passar por um conjunto completo de sistema de arquivamento ou mesmo sistema de aprovação operado pelo departamento de supervisão de mercado, departamento de comércio etc. antes de sua entrada no mercado chinês, o que pode ser muito complicado e demorado. Além disso, também existem algumas disposições especiais locais ou industriais inconsistentes com as leis e regulamentos, tornando o limite de entrada para investimentos estrangeiros mais rigoroso do que parece.

Desde 1 de janeiro de 2020, o Ministério do Comércio, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e o Ministério da Justiça, organizaram todas as regiões e departamentos para realizar uma limpeza abrangente das atuais leis, regulamentos e documentos normativos relevantes, revogando ou alterando as disposições incompatíveis com a Lei de Investimentos Estrangeiros e seus Regulamentos de Implementação. Além disso, estipula-se que:

• Empresas nacionais e estrangeiras serão tratadas igualmente em termos de declaração de projeto, fornecimento de terras, benefícios fiscais e licença de qualificação;

• Empresas estrangeiras devem participar da formulação e revisão de normas nacionais, industriais e locais em pé de igualdade com a lei;

• O governo e seus departamentos relevantes não devem restringir a entrada de empresas de capital estrangeiro no mercado de compras governamentais nem implementar tratamento diferenciado e discriminatório.

3. Sistema de Gestão do “Tratamento Nacional de Preestabelecimento e Lista Negativa”

O artigo 4 da Lei de Investimentos Estrangeiros estipula que o Estado adota o sistema de gestão de tratamento nacional de preestabelecimento e a Lista Negativa de investimento estrangeiro. O termo “tratamento nacional de pré-estabelecido” refere-se ao tratamento dado a investidores estrangeiros e seus investimentos na fase de estabelecimento, aquisição e expansão de empresas, que não é menor do que o concedido aos investidores domésticos e seus investimentos.

A chamada Lista Negativa refere-se às medidas administrativas especiais para investimento estrangeiro em áreas específicas estipuladas pelo Estado. O Estado concederá tratamento nacional ao investimento estrangeiro que não conste na Lista Negativa. Agora, temos um conjunto completo de sistemas orientadores de investimentos estrangeiros, que incluem Lista Negativa mais Diretrizes da Indústria sobre Investimento Estrangeiro Incentivado e uma Lista Negativa de Acesso ao Mercado para investimentos estrangeiros e domésticos.

4. Abolição das três leis que regem o investimento estrangeiro

Desde que a Lei de Investimentos Estrangeiros e seus Regulamentos de Implementação entraram em vigor em 1 de janeiro de 2020, os Regulamentos de Implementação da Lei da República Popular da China sobre as empresas de joint venture de ações sino-estrangeiras, as disposições provisórias sobre o termo de joint venture de ações sino-estrangeiras Empresas de joint venture, o Regulamento de Implementação da Lei da República Popular da China sobre Empresas de Propriedade Total Estrangeira e o Regulamento de Implementação da Lei da República Popular da China na Empresa Comum Cooperativa Sino-estrangeira, devem ser simultaneamente anulados.

No entanto, ainda existem alguns documentos normativos, como regras departamentais, regulamentos locais, regras locais e interpretações judiciais que podem não ser adequados para abolir de uma só vez, nem podem ser rastreados um por um em pouco tempo. Por esse motivo, os Regulamentos de Implementação estipulam que, em caso de inconsistência entre as disposições sobre investimento estrangeiro formuladas antes de 1 de janeiro de 2020 e a Lei de Investimentos Estrangeiros e os Regulamentos de Implementação, prevalecerão as disposições da Lei de Investimentos Estrangeiros e os Regulamentos de Implementação.

Além disso, para empresas estabelecidas investidas no exterior, o Artigo 42 da Lei de Investimentos Estrangeiros estipula um período de transição de cinco anos, durante o qual as empresas investidas estrangeiras estabelecidas podem continuar mantendo suas formas organizacionais originais etc. Em outras palavras, durante esse período de transição de 5 anos, as empresas investidas no exterior podem optar por permanecer na mesma forma organizacional ou passar por um procedimento de alteração de acordo com a Lei das Sociedades ou a Lei das Sociedades por Parcerias. Se uma empresa não mudar de forma após o período de transição, ela será considerada como estando em violação da lei e o departamento de supervisão do mercado não lidará com os procedimentos de alteração ou arquivamento de nenhum item registrado da empresa.

5. Gestão de investimentos: relatórios de informações sobre investimentos estrangeiros

Os investidores estrangeiros ou as empresas de investimento estrangeiro devem enviar informações de investimento por meio do sistema de registro da empresa, bem como do sistema de anúncio de informações de credibilidade da empresa à autoridade administrativa do comércio.

O conteúdo, o escopo, a frequência e o fluxo de trabalho detalhado dos relatórios de informações sobre investimentos estrangeiros serão determinados e anunciados pela autoridade administrativa de comércio do Conselho de Estado, em conjunto com a autoridade reguladora de mercado do Conselho de Estado e outras autoridades relevantes. A autoridade administrativa do comércio e outras autoridades relevantes fortalecerão o compartilhamento de informações e não exigirão que investidores estrangeiros ou empresas de investimento estrangeiras enviem essas informações de investimento que podem ser obtidas através do compartilhamento de informações interdepartamentais.

Em resumo, o sistema de aprovação e arquivamento já foi substituído pelo sistema de relatório de informações. Para a maioria das empresas de investimento estrangeiro, o registro comercial não é mais necessário, porque essas informações serão compartilhadas pelos departamentos governamentais.

© COPYRIGHT - DEPARTAMENTO LATINO